Guru do Amor | Foi bom! Nós fizemos história, pra ficar na memória e nos acompanhar
726
single,single-post,postid-726,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive
 

Foi bom! Nós fizemos história, pra ficar na memória e nos acompanhar

Foi bom! Nós fizemos história, pra ficar na memória e nos acompanhar

A música tem o grande poder de comover alguém em algum momento, por mais diferente que seja o ritmo, melodia ou voz. Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte são felizes ao escrever belas palavras e músicas perfeitas.

O segredo mais absurdo e encantador, é o todo, quando a letra, melodia, voz e momento do ouvinte se convergem em algo inexplicável, mas podendo ser descrito como algum sentimento, que só quem está vivendo a história sabe como é.

As palavras inicialmente escritas parecem confusas, mas na verdade ilustram o momento de confusão e vazio que o fim ou possível fim de um relacionamento possa causar nos envolvidos.Mas onde se limita o início ou fim de uma relação? Nossa criação e cultura fazem com que sejamos ligados a datas, comemorações, início, meio e fim. Só que ninguém percebe o quanto é bom viver o todo como muito mais do que a soma das partes. Você já namorou alguém por muito tempo sem saber realmente a data de início ou de comemoração do aniversário de namoro? Nem pense que é por esquecimento, mas sim por ser uma relação que nasceu e cresceu aos poucos, como um filho que está se casando sem você perceber que ele deixou de ser um bebê.

Confuso? Não! É lindo! É um estilo de relação madura e “moderna”, ou seja, que de um jeito ou de outro os dois são felizes, mesmo sem perceberem.

Não acredito que o relacionamento entre duas pessoas que se gostam e se admiram tenha um fim. No máximo ele pode ter uma mudança, uma transformação. Digo isso porque o que foi bom ninguém tira, as histórias criadas ninguém esquece e a memória que acompanha os dois, mesmo que por caminhos diferentes, eternizam os sentimentos positivos.

Acredito que temos sempre de acreditar no final feliz, mesmo que para isso o tempo possa ser o melhor remédio e que a falta sirva como combustível para que a história que foi boa e está na memória retorne mais forte e com possibilidades de se eternizar ainda mais.

No Comments

Post A Comment